segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Complementar X Completar

Cheguei à conclusão que os verbos: “complementar” e “completar” fazem toda a diferença numa relação. São eles que irão distinguir as relações em potencial das fracassadas, o que, na verdade é curioso, pois estes dois verbos seriam quase um só se não fosse por um detalhezinho de desinência “men” que os separa em formas tão singulares.


Antes de tudo, devemos tentar analisar o porquê de tanta diferença em apenas três letrinhas.

- Men: Significa “homens” em inglês. Acho que não.

- M E N: “Mulheres Extremamente Necessitadas”. Definitivamente não.

- M E N: “Mais Equilibradas que Nunca”. (Gostei, hein?)

- Men: A-men (?), X-men (?), Super-men (?). Melhor deixar quieto.

Ou talvez possa ser uma mensagem subliminar greco-romana que até hoje ainda não descobrimos. De qualquer forma, alguma coisa tem aí.

Comecemos pelo verbo: completar. Parte-se do pré-suposto que, se algo precisa ser completado, é por que ele não está satisfatoriamente cheio. No seu caso, a partir do momento em que você espera que alguém te complete, já afirma, de cara, que se encontra vazia.

Imagine a seguinte situação. Você está com vontade de comer biscoitos, porém sabe que não serão três nem cinco que irão lhe satisfazer, e sim um pacote inteiro. Vai ao supermercado, pega o pacote do seu biscoito favorito e, de repente, nota que este está apenas cheio até a metade. Com muito esforço você tenta ler aquele asterisco pequenininho na embalagem que ninguém consegue ler: “Edição especial. Você leva a metade e o resto você completa!”

Como assim “completa”? Você está puta da vida porque está frio, você não estava nem um pouco afim de sair de casa, não quis nem colocar o sutiã, não passou maquiagem, seu cabelo está esquisito e as chances de encontrar o seu vizinho gato são altíssimas. Ainda assim, todo o esforço teria sido válido se não fosse pelo detalhe de levar apenas metade do pacote de biscoitos.

A mesma coisa serve para o seu relacionamento (onde, no caso, você seria o pacote esperando alguém chegar para te completar). Se o seu pretendente tivesse lido o seu asterisco de aviso antes, com certeza ele teria pulado fora, não é verdade? Afinal, a responsabilidade de completar alguém acaba virando um peso muito grande, certo?

Agora vamos analisar o ‘complementar’. Acompanhe comigo. Sabe quando você está andando de carro e tem a sensação de que a lua está te seguindo? Você acelera e a lua vai junto, como se ela fizesse questão da sua companhia. Aquilo faz do seu passeio mais agradável, especialmente quando a lua está cheia, te fazendo dar um sorriso, apenas porque é gostoso ter a sensação de que a lua quer vir com a gente.

Agora se, por um acaso, viesse uma nuvem e tampasse a lua e esta parasse de te “seguir”, você não iria chorar, nem entrar em depressão, nem nunca mais andar de carro só porque a lua não te segue mais, entende? Isso porque o complemento é só um acompanhamento, uma adjacência, algo para estar junto e não para suprir. Eis aí a chave da questão!

Ao entender a diferença que o “men” faz, você perceberá que nem sempre a gente tem que estar grudado e dependendo de alguém para ser feliz. É possível ser feliz sozinho (quando digo sozinho significa de bem consigo mesmo e não sozinho isolado numa gruta porque aí realmente é dose). É possível sim. Não precisa chorar, nem espernear, nem arrancar os cabelos. É só que acompanhado é mais gostoso, só isso. Nada demais. Vai ficar tudo bem.

3 comentários:

Anônimo disse...

Seja bem vinda!
Bjs.

Maciel disse...

Bacana, gostei do post... Traduz e ensina para muitos que aquele seu par não é a sua felicidade, tão somente o complemento dela!!!

Tomas Nunqueira Saber disse...

Então, fui pesquisar sobre a diferença entre completar e complementar e me deparei com seu texto.

Concordo em tudo que você disse, tudo muito lindo, mas não queria admitir que na prática é muito difícil para quase todo mundo viver bem consigo mesmo sem necessitar ser completado por alguém.

Tenho certeza que o ideal é ser complementado, mesmo que isso possa ser raro.

Entre o dizer e o fazer tem uma grande distância, mas realmente adorei seu texto.

Parabéns!